CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Juiz manda internauta excluir do Instagram postagem ofensiva a médico

O juiz da 22ª Vara Cível de Brasília deferiu liminar determinando que internauta exclua das postagens constantes em sua página no Instagram, no prazo máximo de 48 horas a contar da intimação, trechos contendo expressões ofensivas contra o médico autor. Em caso de reincidência, será aplicada multa diária de R$ 500,00.

O primeiro réu, ao responder uma postagem feita por um usuário que citou expressamente o autor como um dos médicos adeptos do tratamento em discussão (uso do hcg – Gonadotrofina Coriônica Humana na dieta), teria afirmado: “(…) Esses que você citou são meros aproveitadores, que usam o ‘poder’ do jaleco branco para enganar pobres coitados desesperados para estarem dentro de padrões de beleza estabelecidos por eles próprios. É simplesmente podre, ridículo ao extremo. Esses médicos deviam ter vergonha do juramento que fizeram ao se formar. Pra mim eles são tão corruptos quanto os mensaleiros do PT”. O segundo réu, por sua vez, ao se referir, de forma inequívoca, à postagem feita pelo primeiro em relação ao autor, teria afirmado que a resposta ” (…) foi perfeita. Abaixo a corrupção moral e aos falsos profetas”.

O juiz decidiu que “não obstante se mostre provida de utilidade a discussão, esta deve se desenvolver no campo objetivo da argumentação ideológica ou científica, sendo certo que a permanência, por prazo indeterminado e em um veículo de mídia eletrônica com livre acesso a milhares de usuários, de afirmações que colocam em xeque a idoneidade moral de um profissional da medicina, equiparado a réus condenados ou a falsos profetas, simplesmente por adotar um protocolo determinado, tem o condão de representar risco grave e real de recrudescimento da lesão aos direitos personalíssimos protegidos, a justificar a adoção, ainda que de forma parcial, da tutela de urgência. Nessa quadra, demonstrada, por prova inequívoca, a verossimilhança das alegações autorais, havendo o risco de lesão continuada e permanente, e, estando certo ainda que, em juízo de ponderação dos valores envolvidos, não se verifica utilidade ou razoabilidade a justificar a manutenção das gravosas expressões utilizadas”.

Cabe recurso da decisão liminar.

Fonte: http://www.tjdft.jus.br/
Foto: paperfreeweb, via Flickr