fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Prefeitura de Viçosa decreta situação de emergência em saúde pública

Segundo assessoria, motivo é a preocupação com surto de febre amarela e iminência de surto de dengue. Cidade já registrou uma morte por febre amarela e LIRAa apontou 3,7% de infestação predial

 
Por G1 Zona da Mata
 
O prefeito de Viçosa, Ângelo Chequer, decretou, nesta terça-feira (23), situação de emergência em saúde pública no município, por causa do surto de febre amarela e a iminência de surto de dengue.

O decreto nº 5.172 de 2018 autoriza a adoção de medidas administrativas necessárias à contenção dos surtos, como aquisição de insumos e materiais e a contratação de serviços e pessoal de forma emergencial por tempo determinado.

Na decisão, o prefeito considerou os dados da febre amarela no município e região, como a notificação de 105 casos suspeitos de febre amarela em municípios da área de abrangência da Unidade Regional de Saúde de Ponte Nova no período de dezembro de 2017 a janeiro de 2018; a ocorrência de uma morte em Viçosa em decorrência da febre amarela; e as notificações de epizootias em primatas não humanos em vários pontos do município e em municípios limítrofes.

O decreto considera ainda o resultado do último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), que apontou 3,7% de infestação predial em vários pontos da cidade e coloca Viçosa em estado de alerta sobre um possível surto de dengue.

Para o secretário de Saúde, Marcos Schitini, o decreto garante agilidade no trâmite das ações necessárias ao enfrentamento das doenças. Segundo ele, autoriza a contratação imediata de profissionais como agentes comunitários de saúde (ASC) e agente comunitários de endemias (ACE) e a compra de materiais e insumos, como repelentes, tendas e combustível.

De acordo com a assessoria, a Secretaria Municipal de Saúde deve divulgar ainda nesta semana um edital para contratação emergencial dos agentes comunitários. Atualmente, são 77 agentes comunitários de saúde e precisa de mais 25. Agentes comunitários de endemias existem 14 em atividade e a pasta precisará contratar outros 31 profissionais.

No sábado (20), foi publicado no Diário Oficial do estado o decreto de situação de emergência em saúde pública por causa da febre amarela em 94 dos 853 municípios. Eles ficam nas áreas de Belo Horizonte, Itabira, na Região Central de Minas Gerais, e Ponte Nova, onde está Viçosa, na Região da Zona da Mata.
 
Dados do Estado
 
A Secretaria de Saúde de Minas Gerais divulgou que 25 pessoas morreram no estado em decorrência da febre amarela entre dezembro de 2017 e esta terça-feira (23). Desde o último informe epidemiológico, divulgado no dia 17, foram dez novos óbitos confirmados. Na região da Zona da Mata, foram confirmadas as mortes de pacientes em Barra Longa; em Goianá; em Mar de Espanha, em Porto Firme e em Viçosa.

Ainda de acordo com o governo, 22 pessoas têm a doença e estão internadas ou já receberam alta. Oitenta e sete casos suspeitos aguardam os resultados dos exames. Doze mortes também são investigadas.
 

Liberação de verbas

 
Uma resolução publicada nesta terça-feira (23) no Diário Oficial de Minas Gerais determina a liberação de R$ 2,4 milhões para as cidades que tiveram casos confirmados de febre amarela ou aquelas em que macacos morreram em decorrência da doença.

Com casos confirmados em humanos, além das cidades já citadas acima onde houve morte, estão na lista para receber recursos Juiz de Fora e Barra Longa.

O decreto cita as seguintes cidades com casos confirmados de febre amarela em macacos na Zona da Mata: Mar de Espanha, Santana do Deserto, Matias Barbosa, Simão Pereira, Juiz de Fora, Piau, Belmiro Braga, Além Paraíba, Santo Antônio do Aventureiro e no Campo das Vertentes, São João Del Rei, Lagoa Dourada, Nazareno, Madre de Deus de Minas.
 
O que é a febre amarela?
 
A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos infestados.

Em área rural ou de floresta, os macacos são os principais hospedeiros e a transmissão ocorre pela picada dos mosquitos transmissores infectados Haemagogus e Sabethes. Nas cidades, a doença pode ser transmitida principalmente por mosquitos da espécie Aedes aegypti. Não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

Os sintomas iniciais da febre amarela incluem o início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza.

 

Foto: Thinkstock