fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Infecções por vírus estão associadas à doença de Alzheimer, diz estudo

Pesquisa publicada na ‘Neuron’ nesta quinta-feira (21) identificou fragmentos de vírus da herpes em quatro áreas do cérebro de pessoas que tiveram a demência

Por G1

A doença de Alzheimer pode ser uma consequência de infecções por vírus que aconteceram ao longo da vida, principalmente o vírus da herpes, diz estudo publicado nesta quinta-feira (21) na revista “Neuron”. A pesquisa analisou três diferentes bancos de dados de cérebros e mostrou, segundo os autores, o maior conjunto de evidências registrado até agora sobre essa relação.

No total, cientistas analisaram 622 cérebros de pessoas que tiveram Alzheimer e 322 órgãos de pessoas sem a doença.

O estudo teve a participação de pesquisadores da Universidade do Estado do Arizona e da Icahn Escola de Medicina Monte Sinai, ambas nos Estados Unidos. Cientistas contaram com financiamento do NIH (Instituto Nacional de Saúde dos EUA).

“Trata-se de um estudo publicado em uma revista importante sobre uma discussão grande na ciência: a relação entre micro-organismos e o cérebro”, diz Almir Ribeiro Tavares Júnior, professor da Faculdade de Medina da Universidade Federal de Minas Gerais que já acompanhou estudos com Alzheimer no NIH.

O pesquisador explica que cientistas desconfiam há décadas da relação entre demências e infecções. Acredita-se que a proteína associada à doença de Alzheimer, a beta amiloide, pode ser produzida como uma reação do sistema imunológico a infecções por micro-organismos.

“A beta amiloide se associa com morte neuronal e pior transmissão de impulsos entre neurônios. Antes, pensava-se que ela fosse a causa da doença de Alzheimer. Hoje, ela também é estudada como consequência”, diz o pesquisador.

Almir Tavares alerta, no entanto, que as pessoas estudadas não necessariamente tiveram herpes. “O estudo mostra que essas pessoas tiveram contato com o vírus ao longo da vida”, diz.

Vírus da herpes e dificuldades do estudo
Ao comparar cérebros de pessoas acometidas pela demência com cérebros normais, o estudo identificou altos níveis de herpesvírus humano (HHV) 6A e 7 em amostras de cérebro de pessoas que haviam tido a doença. Os cientistas encontraram fragmentos do vírus em quatro regiões diferentes do cérebro.

Pesquisadores salientam, no entanto, que o estudo não permite estabelecer uma relação de causalidade entre Alzheimer e infecções, mas aponta para uma relação possível.

“Seria muito difícil cravar essa relação, porque seria necessário um estudo prospectivo, com uma intervenção”, diz o pesquisador da UFMG. “Um dos problemas é acompanhar essas pessoas por muitas décadas”, conclui Tavares.

Além da presença do vírus, cientistas sequenciaram o DNA e o RNA de todos os 944 cérebros analisados e encontraram diversos mecanismos associados ao Alzheimer que podem ter sido deflagrados pelas infecções.

“Eles estavam procurando por sinais indiretos que podem ter sido deixado pelos vírus”, completa Tavares.

Foto: Shireen Dooling/Biodesign Institute at ASU