fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Imagens demonstram menos danos a pulmões de vacinados contra Covid-19

Cientistas da Coreia do Sul analisaram tomografias do tórax de hospitalizados e observaram que sinais de pneumonia são mais comuns em quem não se imunizou ou completou o esquema vacinal

Por Revista Galileu

Pacientes que contraíram o Sars-CoV-2 após serem vacinados contra a Covid-19 têm danos mais leves nos pulmões, segundo revelam imagens de exames publicados em um estudo na revista científica Radiology., nesta terça-feira (1º).

Cientistas da Coreia do Sul consultaram dados de 761 pacientes hospitalizados com Covid-19 que tinham 47 anos de idade, em média. Suas informações foram coletadas do banco de imagens Korean Imaging Cohort for COVID-19 (KICC-19), entre junho e agosto de 2021.

Um subgrupo de 47 pessoas já havia sido vacinado com duas doses, enquanto outros 127 estavam imunizados parcialmente e 587 não tinham recebido qualquer vacina contra o novo coronavírus. As imagens de tomografia computadorizada do tórax foram feitas em 54% das pessoas durante a internação.

Os cientistas constataram que apenas 22% das tomografias dos não vacinados não tinham sinais de pneumonia. Esse índice foi de 30% entre os parcialmente imunizados e de 59% para aqueles que tomaram as duas doses.

Fatores como diabetes, idade avançada, trombocitopenia, além de níveis elevados de proteínas como LDH (desidrogenase lática) e C reativa (PCR) também foram associados a um maior risco de Covid-19 grave.

Idosos ou indivíduos com ao menos uma comorbidade estavam em sua maior parte no grupo de vacinados. A necessidade de ventilação mecânica e morte hospitalar ocorreu apenas entre não imunizados.

“Após o ajuste para as características clínicas basais, a análise mostrou que os pacientes totalmente vacinados tinham um risco significativamente menor de necessitar de oxigênio suplementar e de internação na UTI do que os pacientes não vacinados”, conta Yeon Joo Jeong, autora sênior do estudo, em comunicado.

Os cientistas consideram que, com o surgimento de novas cepas do Sars-CoV-2, pesquisas adicionais ainda são necessárias. Mas o estudo corrobora a importância da vacinação para as “infecções de escape”, em que as pessoas contraem o vírus após serem imunizadas.

Foto: Sociedade Radiológica da América do Norte