fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Nova ferramenta associa os tipos de doença de Alzheimer à taxa de declínio cognitivo

Por Medicina S/A

A utilização de uma nova ferramenta que utiliza dados tridimensionais, fez com que pesquisadores da Mayo Clinic descobrissem uma série de alterações cerebrais na doença de Alzheimer caracterizadas por aspectos clínicos únicos e comportamentais das células imunológicas. Suas descobertas estão publicadas na JAMA Neurology.

A ferramenta de índice corticolímbico recolhe dados 3D de várias áreas do cérebro afetadas pela doença de Alzheimer, permitindo que profissionais da saúde e pesquisadores obtenham uma melhor compreensão sobre as diferenças nas experiências das pessoas com a doença de Alzheimer.

A ferramenta classifica os casos da doença de Alzheimer em três subtipos, de acordo com a localização das alterações cerebrais. A pesquisa dá continuidade ao trabalho anterior da equipe, demonstrando como essas mudanças afetam as pessoas de diversas maneiras. Descobrir a patologia microscópica da doença pode ajudar os pesquisadores a identificar biomarcadores que podem impactar os futuros tratamentos e cuidados com os pacientes.

“Nossa equipe encontrou diferenças demográficas e clínicas notáveis entre sexo, idade no início dos sintomas e taxa de declínio cognitivo”, diz a autora sênior Ph.D. Melissa E. Murray, neuropatologista translacional na Mayo Clinic da Flórida.

O índice corticolímbico atribui um escore à localização de emaranhados tóxicos de proteínas Tau que danificam as células nas regiões cerebrais associadas à doença de Alzheimer. As diferenças na acumulação dos emaranhados afetaram a progressão da doença.

A equipe analisou amostras de tecido cerebral de um grupo multiétnico de quase 1.400 pacientes com doença de Alzheimer, doados entre 1991 e 2020. As amostras estão armazenadas no Banco de Cérebros da Mayo Clinic, derivado de uma parceria com a Iniciativa para a Doença de Alzheimer do estado da Flórida. A população da amostra incluiu asiáticos, negros/afro-americanos, hispânicos/latino-americanos, nativos americanos e brancos não hispânicos que receberam os cuidados em clínicas de distúrbios de memória na Flórida e doaram seus cérebros para a pesquisa.

Para verificar o valor clínico da ferramenta, os pesquisadores investigaram ainda mais os participantes do estudo da Mayo Clinic que foram submetidos a neuroimagem enquanto estavam vivos. Em colaboração com uma equipe da Mayo Clinic liderada pela Ph.D. Prashanthi Vemuri, pesquisadores descobriram que os resultados do índice corticolímbico eram condizentes às alterações no hipocampo detectadas pela ressonância magnética (RM) e às alterações no córtex detectadas pela tomografia por emissão de pósitrons Tau (Tau-PET).

“Ao combinar nossa experiência nas áreas de neuropatologia, bioestatística, neurociência, neuroimagem e neurologia para abordar a doença de Alzheimer de todos os ângulos, fizemos avanços significativos na compreensão de como ela afeta o cérebro”, explica Murray. “O índice corticolímbico é um escore que pode incentivar uma mudança de paradigma em direção à compreensão da individualidade dessa doença complexa e ampliar nossa perspectiva. Este estudo marca um passo significativo em direção aos cuidados personalizados, oferecendo esperança para terapias futuras mais eficazes.”

Os próximos passos da equipe de investigação serão traduzir as suas descobertas na prática clínica, dando aos radiologistas e outros especialistas médicos acesso à ferramenta de índice corticolímbico. Murray diz que a ferramenta pode ajudar os médicos a determinar a progressão da doença de Alzheimer nos pacientes e melhorar o seu manejo clínico. A equipe também está planejando mais pesquisas utilizando a ferramenta para identificar áreas do cérebro resistentes aos efeitos tóxicos da proteína Tau.

Foto: Reprodução