fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

‘Desorientação’, diz médico sobre denúncia de erro em morte de idoso

Responsável pelo PS de Tatuí (SP) defendeu equipe médica. Família afirmou que paciente morreu por falta de hemodiálise.

O médico responsável pelo pronto-socorro municipal de Tatuí (SP), Luiz Gameiro, alegou desorientação como motivo da denúncia da família de Pedro Lima, de 81 anos, que morreu na terça-feira (7) após quatro dias internado. A família afirmou à TV TEM que o idoso havia morrido por falta de sessão de hemodiálise. No mesmo dia, a unidade médica confirmou que não dispunha do equipamento médico no momento.

Mas, segundo Gameiro, a falta da sessão de hemodiálise não foi crucial para a morte do paciente. “Acho importante a família entender, eu sei que é difícil, que não é porque ele perdeu uma sessão de hemodiálise é que justifica a morte dele. O rim naquele momento não era o mais importante, ele não estava em uma emergência dialítica, ou seja, o que salvaria a vida seria uma hemodiálise. Não era esse o caso.”

Para ele, houve falha na comunicação entre a equipe médica e a família. “As informações eram diferentes, cada plantonista tem uma forma de falar. No primeiro momento poderiam ter falado: ‘Vamos estabiliza-lo e amanhã fazemos a hemodiálise.’ No dia seguinte ele [o idoso] piorou muito e não poderia fazer a hemodiálise. A família, então, pensou: ‘Ele iria fazer a hemodiálise e agora não vai mais?’ A família que está com o familiar internado está todos os dias de manhã e a tarde no hospital. Ela [a família] então tem informações de diferentes, de pessoas diferentes e ocasiões diferentes. Isso, com frequência, gera desorientação”, diz.

Ele afirma ainda que o idoso não tinha condições de passar pela máquina. “O paciente com pressão arterial muito baixa, como era o caso dele, se entrar na máquina, mesmo com medicamentos potentes, a pressão do corpo para circular o sangue aos órgãos nobres, no caso o coração e o cérebro, está muito baixa. Se desvia esse sangue para uma máquina, o tratamento de hemodiálise é como se fosse uma circulação extracorpórea: o sangue circula dentro e fora do corpo. Com isso a pressão iria cair ainda mais, e já estava no mínimo”, alega.

Gameiro ainda explica como a equipe médica agiu durante os dias em que o Lima ficou internado: “O paciente deu entrada na sexta-feira (3) por volta das 12h com um quadro de insuficiência respiratória aguda grave. Apresentava desconforto respiratório muito grande. Até na entrada a saturação do oxigênio dele estava em 53%, sendo que o normal é acima de 94%, ou seja, com baixo oxigênio no sangue. Conseguiu se estabilizar a parte respiratória, sabia-se que ele tinha uma sessão de hemodiálise na própria sexta-feira à tarde, no entanto, devido a condição extrema ele não poderia ser submetido ao procedimento. Precisaria primeiro se estabilizar o quadro clínico, porque existem pré-requisitos para se fazer uma hemodiálise, não pode ter contraindicações graves”, finaliza.

Fonte: http://g1.globo.com/
Foto: Joris Louwes, via Flickr