fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Polícia e Cremesp apuram suspeita de erro médico em morte de bebê

Diagnóstico de problema na placenta saiu tarde, diz mãe que perdeu criança. Exames estavam normais até antes do parto, informa Santa Casa de Franca.

A Polícia Civil e o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) investigam as circunstâncias do parto com um bebê morto na Santa Casa de Franca (SP). A mãe acusa o hospital de ter demorado em diagnosticar descolamento de placenta, mesmo depois de apresentar sangramento em diferentes atendimentos.

Em nota, o hospital informou que chegou a atender a paciente com o sangramento, mas que seus exames estavam normais até antes da cirurgia e que o descolamento foi imprevisível.

A coladora de peças Bruna Iara da Silva, de 19 anos, relata que procurou a Santa Casa pela primeira vez em 21 de maio. Assim ela diz ter feito nos dias 27, 28 e 29 de maio – na última vez ficou internada -, contando que teve como resposta que estava tudo bem com seu bebê.

Mas, ainda no dia 29, depois de ser submetida a exames que mais uma vez não apontaram problemas, ela afirma que foi levada às pressas para a sala de parto da unidade hospitalar para a realização de uma cesariana às pressas.

Naquele momento, a mãe diz que sentiu que filha estava morta, principalmente por não notar movimentos dela em sua barriga e pela alegação dos médicos de que havia ocorrido um descolamento de placenta – esta foi apontada mais tarde como causa da morte na certidão de óbito.

“Saíram todos para levá-la para o berçário, depois o médico veio, enfermeira, pedindo desculpa, que infelizmente tentaram de todas as formas reanimar meu bebê, mas que ela não sobreviveu”, lamenta Bruna.

Investigações
O caso foi registrado no 1º Distrito Policial de Franca, que instaurou inquérito nesta terça-feira (2) para apurar como foi realizado o atendimento e se houve erro médico. O delegado Luís Carlos da Silva afirma que ouvirá familiares da paciente e profissionais envolvidos no atendimento, além de pedir um exame de corpo de delito na mãe da criança.

“Se houve erro médico e foi determinante para a morte da criança, ele [médico] responderá por homicídio culposo, por imprudência, imprudência ou por imperícia”, afirma.

A morte no parto também gerou uma sindicância no Cremesp. O delegado regional do conselho em Franca, Ulisses Martins Minicucci, diz que em primeiro lugar vai solicitar o prontuário e ouvir os médicos que atenderam a paciente na Santa Casa. “Por enquanto temos duas versões, a família e da Santa Casa. Agora vamos ouvir a versão dos médicos”, afirma.

Para o pespontador Franklin Edson Souza e Silva, pai do bebê que morreu antes de nascer, a Santa Casa deve ser responsabilizada na Justiça. “Foi muito médico que atendeu. Não tem como afirmar de qual médico foi o erro. Creio que a Santa Casa é responsável por todos que estão ali”, afirma.

Santa Casa
A Santa informou, em nota, que Bruna procurou atendimento com queixa de sangramento e que permaneceu internada por 24 horas para acompanhamento do feto. Nesse período, segundo o hospital, foram realizados exames de cardiotocografia e ultrassonografia, “os quais apresentaram resultados normais.”

Também informou que, com o fim do sangramento, a jovem foi liberada com orientações de retornar em caso de nova intercorrência e que, na madrugada do dia 29, ela voltou por causa de um novo sangramento, “recebendo todos os cuidados médicos e de enfermagem.”

“Até as 6h45 o quadro da paciente mantinha-se estável; em virtude de um repentino sangramento, a mesma foi encaminhada para o Centro Obstétrico, sendo iniciada uma cesárea de urgência, porém, devido a um imprevisível descolamento de placenta, o bebê não resistiu”, comunicou.

Fonte: http://g1.globo.com/
Foto: Marie Smith, via Flick
r