fbpx

CENTRAL DE ATENDIMENTO 24H: 0800 61 3333

Gaze teria sido deixada dentro de homem operado em Tefé (AM)

Um homem foi encaminhado do município de Tefé para a capital Manaus após passar por uma cirurgia para sanar uma peritonite grave, na última segunda-feira (1°).

Edelson Pessoa dos Santos foi atendido no Hospital de Tefé onde passou por procedimento cirúrgico e foi encaminhado para Manaus em UTI aérea por volta das 16h.

Após os procedimentos médicos, uma gaze teria sido supostamente deixada dentro do abdómen do paciente, fechado por pontos. Porém a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SUSAM) nega o fato em nota enviada à reportagem:

“O referido paciente passou por procedimento cirúrgico que identificou uma peritonite grave. O cirurgião que o atendeu optou por não fechar a cirurgia, solicitando a remoção do paciente para Manaus, em UTI aérea. Como medida de precaução, para evitar sangramentos durante o processo de remoção, foram aplicadas compressas cirúrgicas (que ficam com uma parte interna e outra externa). São compressas cirúrgicas e não gaze. Em Manaus, o paciente foi recebido no Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio, sendo reavaliado. Foi submetido à retirada da parte da alça intestinal necrosada e segue se recuperando sem intercorrências”, diz o comunicado.

Porém, de acordo com o presidente Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mario Vianna, a história e aparência externa do procedimento são, a principio, “totalmente descabidos”. Segundo Viana, o paciente havia feito uma laparotomia, procedimento médico que consiste em abrir o abdome e explorar o local, afim de diagnosticar o problema. Ele classifica o caso como “dantesto”.

“Esperamos que cenas ‘dantescas’ como essa possam deixar de existir e que o Governo Estadual aceite a proposta do Simeam de aplicar a Carreira Médica de Estado com equipes planejadas conforme os estudos elaborados por nós, em conjunto com a Susam, na Comissão de Implantação e Regulamentação Carreira Médica de Estado, oferecendo dessa forma, uma saúde de qualidade a população do interior”, afirma.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/
Foto: MilitaryHealth, via Flickr